quarta-feira, 20 de junho de 2012

RIO +20

Gente, eu sei que vocês estão me cobrando para falar do Rio +20 por eu ser engajada e postar sempre aqui no blog sobre o Pensar e agir Verde, e até estou devendo mesmo mais post's sobre isso e sei que ando perdendo muita coisa pra informar e dar idéias por aqui, mas eu vou me reservar ao direito de não falar sobre o Rio +20. O motivo? - Cara, tow puta com o andar da carruagem sustentável do Rio +20. Esperava mais,muito mais do que vem falando e mostrando sobre a conferência...puxa vida galera, a última conferencia foi em 92 e achei sinceramente e até pela situação do meio ambiente e do país hoje em dia que esse ano superaria o primeiro; principalmente em termos de conquistas e assinados, mas parece que mesmo as barbas do caos e fim do mundo verde que vem sendo prénunciado (quis dizer isso mesmo, prenunciado) pela natureza, ainda está pouco e muito longe das nações se unirem e resolverem fazer alguma coisa (lembrando que a nação é o povo mas depende dos governantes para ver o que já fazem acontecer de verdade e mais eficazmente).
Pensar que não estaremos aqui para ver isso não afasta meu receio e o medo do que possa estar por vir em relação ao futuro do planeta, quando o que já está aqui é de longe algo que nunca imaginei que veria ou viveria. É muita burrice qualquer ser humano diante do caos que se encontra a natureza e a humanidade concentrar sua expectativa de futuro somente em avanço de tecnologias e meios de construções, brigas de quem assume ou não isso ou aquilo.
Repor o que retiramos do solo, o que detonamos da natureza e dar um jeito logo de fazermos da reciclagem e processos seletivos parte da nossa vida já é indispensável hoje, é questão de vida, sobrevida na terra e não pode de jeito nenhum continuar sendo tratado com toda essa calma e "ainda temos tempo" que vem sendo tratado. O futuro que só víamos e glamourosamente ficávamos estarrecidos nos filmes de ficção científica já rola agora, e se você não se vê ainda em meio as larvas de um vulcano em ação ou acha absurdo e muito improvável um tsunami levar você e sua casa porque onde mora não tem mar, não subestime o poder de fúria da natureza e não ignore a força do planeta se algo arrebentar, acelerar, causar ou reagir dentro dele, porque tudo que temos, teoria, estudos, certezas astronômicas ou físicas  ficará no dito pelo não dito, num rebate de incertezas e perplexidades se continuarmos pagando pra ver até onde podemos chegar com o que estamos fazendo com a terra.
Por mais que eu me sinta e veja que continuo mais sozinha na minha luta cotidiana por minha reconciliação no trato com o planeta, quando vejo vizinhos aqui da rua ainda naquela de jogar tudo pela rua, pelo chão, de não se importarem como que é feito do lixo desde que o leve, de ainda jogarem coisas pela janela do bus esquecendo que o lixo que jogam será o mesmo que os afogaram nas enchentes da vida, eu penso que deixar de lutar e fazer alguma coisa é ainda pior, é assinar um tratado invertido com a natureza, um pacto de morte com destino traçado, pois assim como  quem bebe ou fuma já sabe do que vai morrer, quem polui,queima as matas, assoria o solo, e não se preocupa com a quantidade de água que sae da torneira porque acima de tudo está pagando, sabe bem como isso vai acabar e ai será um pouco tarde pra ficar saudosista ou com remorço de algo que poderia ter evitado.
Atitude já meu povo, a hora do planeta não deve ser só uma vez no ato num ato bonito de ascender e apagar de luzes, a hora do planeta é agora, aqui, aí e o tempo todo. Pensem nisso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comenta mas não inventa!